O presidente da Anater, Ademar Silva, ao lado da ministra Tereza Cristina, aproveitou a ocasião para abordar os números positivos da sua gestão ao driblar as dificuldades da pandemia da Covid-19.

A Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater) é um braço executor do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e como premissa, compôs a Oficina de Redirecionamento Estratégico do órgão para período 2021-2022. A reunião foi realizada nesta segunda-feira (07) com os seguintes objetivos: apresentar o Plano Estratégico 2020-2031; apresentar, discutir, definir e priorizar os resultados relevantes do Mapa para o período 2021-2022; e ainda definir responsabilidades relacionadas à geração dos resultados relevantes 2021-2022.

O presidente da Anater, Ademar Silva, ao lado da ministra Tereza Cristina, aproveitou a ocasião para abordar os números positivos da sua gestão ao driblar as dificuldades da pandemia da Covid-19. Ele ressaltou que os colaboradores e parceiros fizeram o possível para que os trabalhos não parassem. Hoje, são mais de 140 contratos vigentes.

“O resultado da gestão eficaz de contratos foi o desembolso financeiro de 10% maior do que em 2019, bem como os novos projetos que já estão prontos para serem executados. Além disso, houve repactuação de contratos com redução de 51%, sem precisar cancelar nenhum, adequando à nossa realidade”.

Sobre o orçamento da Anater, Ademar Silva explicou o histórico: “somos uma instituição muito nova que iniciou em 2017 com R$ 2,8 milhões. Em 2018, foram R$ 27 milhões. Na nossa gestão, aplicamos em 2019, R$ 38 milhões e estamos com a previsão para 2020 de R$ 44 milhões, sem contar com o recurso vindo das parcerias privadas”.

Dentre as novidades, foi ressaltado o Programa Produzir Brasil, lançado no mês de novembro em Goiás como piloto para agricultores assentados da reforma agrária. Nesta primeira etapa, a expectativa é atender cerca de 10.000 famílias na região Centro-Oeste e depois, beneficiar estados da região Nordeste. O investimento estimado é de R$ 31 milhões de reais para os próximos dois anos. Trata-se de um programa idealizado pelo Mapa e com execução vinculada ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Outro destaque envolve os investimentos do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA) que devem aprimorar o Sistema de Gestão de Ater (SGA) para atender com mais precisão a distância.

“Vamos lançar um sistema de Ater, que além de monitorar, avaliar e trazer resultados em tempo real do serviço prestado; vai proporcionar atendimentos remotos entre o agricultor e o técnico. Também contamos com a parceria da Embrapa para implementação da Ater remota, tentando ampliar cada vez mais o acesso da agricultura familiar a esse trabalho fundamental no campo”, complementou o presidente da Agência ao falar sobre a contribuição para o desenvolvimento rural sustentável do país.

A programação da oficina do Mapa se estendeu ao longo do dia com diferentes temas: Apresentação do Plano Estratégico 2020-2031, Agenda de Longo Prazo, Análise sintética dos resultados obtidos no período 2019-2020 e resultados relevantes para o período 2021-2022, Conjuntura Nacional e Perspectivas para o biênio 2021-2022, Troca de ideias sobre os resultados relevantes propostos para o biênio 2021-2022 e por fim, Priorização dos Resultados Relevantes.

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.